Budismo Geral Theravada

9 Grandes Virtudes (ou qualidades) do Buda

"O Buda foi a maior figura da história da humanidade, com uma vida perfeita, infalível, irrepreensível e sem manchas." - K. Sri Dhammananda

Tradução do texto original “Great Virtues of the Buddha”, de K. Sri Dhammananda.

O Buda era a personificação de todas as grandes virtudes. Nele estava a personificação da mais alta moralidade (Sila), a mais profunda concentração (Samadhi) e a sabedoria penetrante (Panna) – qualidades inigualáveis e sem paralelo na história humana. Essas grandes qualidades nobres foram mencionadas nos textos sagrados que tratam dos discursos do Buda.

Budistas de todo o mundo, nos seus exercícios devocionais diários, recitam e contemplam as nove virtudes sublimes contidas na fórmula em Pali, Embora o Buda possua várias outras qualidades nobres, aqui nesta fórmula, apenas nove são retratadas. Não é desadequado mencionar que em certas outras escolas do Budismo, os seguidores introduziram diversos Budas, aludindo a algumas dessas grandes qualidades do Buda. Qualquer que seja a maneira usada para apresentar o Buda, é facto que todos os Budas históricos que apareceram neste mundo, de tempos em tempos, foram imbuídos das mesmas virtudes e da mesma iluminação. Portanto, não deve haver diferenciação no respeito a qualquer Buda em particular se o Buda designado for um Buda real. Consequentemente, não deve haver argumento sobre qual Buda é mais poderoso ou superior a outro Buda.

Os versos a seguir, em Pali, referem-se às nove virtudes intrínsecas do Buda que os devotos budistas recitam quando prestam homenagem a Ele:

“Itipi So Bhagava Araham Samma-Sambuddho Vijja-Carana-Sampanno Sugato Lokovidu Anuttaro Purisa-Damma-Sarathi Sattha Deva-Manussanam Buddho Bhagavathi”.

A autenticidade desta passagem é inquestionável, uma vez que foi derivada de muitos textos importantes do Tipitaka, o cânone budista, bem como a partir dos quarenta métodos de Samatha Bhavana – meditação tranquila em Buddhanussati, ou seja, a meditação nas virtudes do Buda.

Cântico em Pali.

Uma breve tradução da passagem em Pali é a seguinte:

“Tal é realmente o grande Araham – perfeito e digno de homenagem, Samma-sambuddho – onisciente, Vijja-carana-sampanno – dotado de visão clara e boa conduta, Sugato – que se saiu bem, bem-falante, Lokovidu – sábio no conhecimento do mundo, Anuttaro Purisa-damma-sarathi – instrutor inigualável dos indomáveis, Sattha Deva-Manussanam – Mestre de deuses e homens, Buddho – iluminou e mostrou o caminho para a Iluminação, Bhagavathi – Abençoado. ”

1. Araham

O Buda é descrito como um Arahant com cinco aspetos, nomeadamente:

  • Ele removeu todas as impurezas;
  • Ele suprimiu todos os inimigos relacionados com a erradicação das impurezas;
  • Ele destruiu os raios da roda da existência;
  • Ele é digno de receber oferendas e homenagens;
  • Ele não reteve segredos no seu carácter ou nos seus ensinamentos.

O Buda foi a maior figura da história da humanidade, com uma vida perfeita, infalível, irrepreensível e sem manchas. Ao pé da árvore Bodhi, Ele venceu todo o mal e alcançou o estágio mais alto da santidade. Ele pôs fim a todos os sofrimentos com a conquista do Nibbana. Ele foi o Honrado pelo Mundo, tão digno de homenagem em todos os aspetos. O seu ensinamento não contém mistérios ou segredos e é como um livro aberto para que todos possam vir e ver.

2. Samma-Sambuddho

O Buda foi designado como Samma-Sambuddho porque compreendeu a existência do mundo através da sua apropriada perspetiva e descobriu as Quatro Nobres Verdades através da sua própria compreensão. Nascido príncipe, renunciou ao mundo e se esforçou por seis longos anos em busca da iluminação. Durante esse período, Ele se aproximou de todos os renomeados professores da época e tentou todos os métodos que eles ensinavam. Tendo alcançado a realização equivalente à dos seus professores, Ele ainda não conseguia alcançar o objetivo indescritível da iluminação. Por fim, baseando a sua busca no entendimento racional e trilhando o caminho do meio, afastando-se assim da maneira tradicional de crenças e práticas religiosas e lendárias, Ele encontrou a solução final para os problemas universais de insatisfação, conflitos e decepções (Dukkha).

3. Vijja-Carana-Sampanno

O termo “Vijja-Carana-Sampanno” significava que o Buda era dotado de uma visão clara e perfeita e de uma conduta exemplar. Ele tem dois aspetos significativos, conforme indicado no conhecimento tríplice e na sabedoria óctupla. O conhecimento tríplice é listado da seguinte forma:

  • Em primeiro lugar, o Buda pôde recordar seu nascimento passado e rastrear a sua existência anterior, bem como a de outras pessoas;
  • Em segundo lugar, além de ser capaz de narrar o passado, Ele tinha uma visão única que lhe possibilitava ver o futuro e visualizar todo o universo a qualquer momento;
  • Em terceiro lugar, Ele tinha o penetrante e profundo conhecimento relacionado ao Arahanthood.

Na sabedoria óctupla, o Buda foi elencado como tendo o dom único do insight, o poder de realizar feitos supranormais, um ouvido divino, o poder de ler os pensamentos dos outros, vários poderes físicos, capacidade de recordar nascimentos passados, um olho divino, e conhecimento primoroso relacionado a uma vida de serena santidade.

No que diz respeito à palavra “Carana” ou boa conduta, esse aspeto é dividido em quinze categorias ou tipos diferentes de virtudes que foram totalmente imbuídas no Buda. Essas virtudes adicionais estão sendo classificadas como restrição em atos e palavras, restrição na absorção dos efeitos dos sentidos, moderação no consumo de alimentos, evitar dormir excessivamente, manutenção da visão cristalina da fé, realização da vergonha em cometer o mal, realização do medo em cometer o mal, sede de conhecimento, energia, atenção plena e entendimento – as quatro tendências pertencentes à esfera material.

Panna e Karuna são refletidas como sabedoria e compaixão, ambas gémeas básicas, ao passo que Karuna lhe outorga compaixão para servir a humanidade. Ele percebeu através da sua sabedoria o que é bom e o que não é bom para todos os seres e, através da sua compaixão, levou os seus seguidores para longe do mal e da miséria. As grandes virtudes do Buda permitiram-lhe apresentar o mais alto grau de ensinamentos à comunidade e excelentes qualidades para todos os seres.

4. Sugato

O Buda também foi designado como Sugato, o que significa que o seu caminho é bom, o destino é excelente e as palavras e métodos usados para mostrar o caminho são inofensivos e irrepreensíveis. O caminho do Buda para alcançar a bem-aventurança é correto e puro, sem curvas, direto e correto.

As suas palavras são sublimes e infalíveis. Muitos historiadores conhecidos e grandes cientistas comentaram que o único ensinamento religioso que permaneceu incontestado pela ciência e pelos livres pensadores foi a palavra do Buda.

5. Lokavidu

O termo Lokavidu é aplicado ao Buda como aquele que tem conhecimento primoroso do mundo. O Mestre experimentou, conheceu e penetrou em todos os aspetos da vida mundana e física, assim como a espiritual. Ele foi o primeiro a fazer a observação de que havia milhares de sistemas mundiais no universo. Ele foi o primeiro a declarar que o mundo não era nada além de conceitual. Nas suas palavras, é inútil especular sobre a origem e o fim do mundo ou do universo. Ele considerava que a origem do mundo, a sua cessação e o caminho para a sua cessação se encontram dentro da profundidade do ser humano com a sua percepção e consciência.

6. Anuttaro Purisa-Damma-Sarathi

Anuttaro significa incomparável e inigualável. Purisa-damma refere-se a indivíduos a quem o dom do Dhamma deve ser concedido, enquanto Sarathi significa um líder. Esses três termos tomados em conjunto implicam um líder incomparável capaz de levar os homens desviados ao caminho da retidão. Entre os que foram persuadidos a seguir o caminho do Dhamma e a evitar o mal, havia assassinos notórios como Angulimala, Alavaka e Nalagiri, centenas de ladrões, canibais e recalcitrantes, como Saccake. Todos eles foram trazidos para o âmbito do Dhamma, e alguns até alcançaram a santidade durante a vida. Até mesmo o Devadatta, o arqui-inimigo do Buda, foi reabilitado pelo Buda através da sua grande compaixão.

7. Sattha Deva-Manussanam

A tradução deste termo é que o Buda era um Professor de devas e homens. Deve-se notar que “devas”, conforme usado neste contexto, refere-se a seres que, devido ao seu próprio bom Karma, evoluíram além do estágio humano, que não é considerado o estágio final da evolução biológica. Devas no contexto budista não tem conexão com os antigos mitos teológicos e tradicionais. O Buda foi um Professor notável, flexível e capaz de conceber diversas técnicas que se adequavam ao carácter e às diferentes mentalidades de devas e seres humanos. Ele instruiu todos a seguirem um modo de vida correto. O Buda era realmente um Professor universal.

8. Buddho

Este epíteto em particular, Buddho, parece ser uma repetição do segundo desta fórmula, embora tenha a sua própria conotação. Buddho significa que o Mestre, sendo onisciente, possuía poderes extraordinários para convencer os outros da sua grande descoberta através da sua arte requintada de ensinar aos outros o seu Dhamma. As suas técnicas foram insuperáveis por qualquer outro professor. O termo Buddho tem o seu significado secundário traduzido como “Desperto”, pois o estado comum do homem está perpetuamente em estado de estupor. O Buda foi o primeiro a se tornar “Desperto” e a sacudir esse estado de estupor. Posteriormente, Ele convenceu os outros a estarem acordados e a se afastarem do estado samsárico, do adormecimento letárgico ou estupor.

9. Bhagava

De todos os termos usados para descrever o Buda, as palavras “Buddho” e “Bhagava”, usadas separadamente ou em conjunto como “Buddho Bhagava”, significando “O Abençoado,” são as mais populares e comummente usadas.

Merecedor de reverência e veneração, Abençoado é o seu nome. Portanto, a palavra “Bhagava” tinha vários significados, conforme sugerido por alguns comentaristas. O Buda foi denominado “Bhagava” ou “O Abençoado” porque Ele era o mais feliz e o mais afortunado da humanidade, por ter conseguido conquistar todos os males, por ter exposto o Dhamma mais elevado e por ter sido dotado de faculdades intelectuais supranormais e sobre-humanas.

Estas nove grandes qualidades do Buda podem servir como objeto de meditação se as várias interpretações de cada termo em particular forem cuidadosamente examinadas e se a sua real intenção e essência for apreendida e absorvida. A mere pronunciação da passagem, sem a sua plena compreensão não poderá ser considerada eficaz, mesmo como um trato devocional. O melhor método seria recitar repetidamente e, ao mesmo tempo, compreender o significado completo dessas declarações. Ao fazê-lo, deve-se concentrar também nessas qualidades excelentes como virtudes verdadeiras a serem emuladas por todos os seguidores do Buda.

Veja também:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: