Contos e Poemas

[Conto] Tudo morre

Publicado em Atualizado em

Quando era jovem, o então monge zen buddhista Ikkyū e seu irmão estavam arrumando o quarto de seu mestre, e num acidente o irmão quebrou a tigela da cerimônia do chá favorita do sábio mestre. Ambos ficaram assustados, pois a tigela era muito estimada pelo mestre, já que havia sido um presente do imperador. Entretanto, Ikkyū disse ao irmão: “Não se preocupe. Sei como Leia o resto deste artigo »

Anúncios

[Conto] Baso e a Meditação

Publicado em Atualizado em

Quando jovem, Mazu Daoyi (Baso Dōitsu, em japonês) praticava incessantemente a Meditação. Certa ocasião, seu mestre Nányuè Huáiràng (Nangaku, em japonês) aproximou-se dele e perguntou-lhe: “Porque praticas tanta Meditação?”

“Para me tornar um Buddha.”

O mestre tomou de uma telha e começou a esfregá-la com uma pedra. Com toda aquela barulheira, um tanto intrigado, Baso perguntou: “O que fazes com essa telha?”

“Pretendo transformá-la num espelho.”

“Mas por mais que a esfregueis, ela jamais se transformará num espelho!” será sempre uma pedra.

“O mesmo posso dizer de ti. Por mais que pratiques Meditação, não te tornarás Buddha.”

“Então o que fazer?” Leia o resto deste artigo »

[Conto] Bonecas

Publicado em

Eis aqui a história do monge ch’an Hotan:

Hotan ouvia as preleções de um mestre. Na estreia das palestras, a assistência foi numerosa, mas, a pouco e pouco, nos dias seguinte, a sala se esvaziou; até que, um dia, Hotan ficou só na sala com o mestre. E este lhe disse: “Não posso fazer uma conferência só para ti; de mais a mais, estou cansado.”

Hotan prometeu voltar no outro dia com muita gente. Nesse dia, porém, voltou só. Não obstante, disse ao mestre: Leia o resto deste artigo »

A arte de esculpir a impermanência no nevoeiro

Publicado em Atualizado em

Inspirada pela impermanência, uma das três marcas da existência referidas no budismo, a artista japonesa Fujiko Nakaya cria esculturas de nevoeiro, que se enroscam, ondulam e se dissipam nas mãos da natureza.

Misterioso, o nevoeiro inspirou escritores e artistas durante séculos, mas Fujiko Nakaya descobriu como criar esculturas a partir dele. A neblina criada artificialmente já esteve presente em diferentes espaços urbanos, museus, jardins e até fontes e praças.

Fujiko nasceu em 1933 na cidade de Sapporo, Japão. A sua obra tem Leia o resto deste artigo »