Monge Gensho

“O Buda não era Budista!” Será mesmo?

Publicado em Atualizado em

Por vezes surge alguém que diz que o” Buda não era budista”, “Jesus não era Cristão”, “Maomé não era Muçulmano”, etc. Alguns poucos mestres budistas também já afirmaram que o ” Buda não era budista”, outros não corroboram com essa afirmação.

buda-estatua-altar

A grande maioria dessas afirmações veem principalmente de pessoas influenciadas pelo movimento New Age e surge como uma crítica a filiarmo-nos a uma escola budista ou a termos algum mestre que seguimos. É uma crítica às instituições, comunidades, e a glorificação do caminho individual e do Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Budismo, a ideia de Deus e o mundo espiritual

Publicado em Atualizado em

Qual a visão do budismo sobre Deus? Para ser possível responder a essa questão, há que definir primeiro o que se entende por Deus. Se definirmos Deus como algum tipo de realidade última, existem conceitos no budismo que eventualmente poderão estar dentro dessa definição, tais como: Dhammakaya, Dharmadhatu, Tathagatagarbha, Buddhadhatu, Sunyata, Nibbana. Se definirmos Deus como um demiurgo, omnisciente e omnipotente, não criado e imortal, criador e controlador de tudo o que existe, como o Deus bíblico, nesse caso será incompatível com o budismo. No entanto, a eventual existência de seres imateriais ou de matéria subtil, como deidades e espíritos, não é de todo incompatível com o budismo. Na cosmologia budista existem vários reinos ou planos de existência, costuma-se falar em 6 Reinos que podem ser subdivididos em 32. Veremos de forma mais aprofundada o que alguns professores têm a dizer sobre este tema.

Sumário: O Deus criador – O Deus como o absoluto – Deidades e Espíritos – Reinos imateriais e Metáforas – Conclusão.

.: O Deus criador :.

A Idéia de Deus e a Criação | K. Sri Dhammananda

Trecho do livro Boas Perguntas, Boas Respostas, de Bhante Shravasti Dhammika

Pergunta: Vocês Budistas acreditam em um Deus? Leia o resto deste artigo »

Investigue a fundo

Publicado em Atualizado em

[Áudio-Palestra] Conclusões Precipitadas | Ajahn Mudito

 

Shariputra não acreditou em Buddha

O Venerável Shariputra, um dos discípulos do Buddha, era muito astuto. Uma vez quando o Buddha estava expondo o Dharma virou-se para ele e perguntou: “Shariputra, você acredita nisso? “Shariputra respondeu: “Não, eu não acredito”. O Buddha elogiou a resposta. “Isso é muito bom, Shariputra. Você é uma pessoa dotada de sabedoria. Aquele que é sábio não acredita rapidamente; ele ouve com uma mente aberta e depois pesa a verdade dos factos antes de acreditar ou desacreditar.”

Buddha pede para Upali investigar a fundo o seu ensinamento antes de se tornar seu discípulo

«”O Abençoado esclareceu o Dhamma de várias formas, como se tivesse colocado em pé o que estava de cabeça para baixo, revelasse o que estava escondido, mostrasse o caminho para alguém que estivesse perdido ou segurasse uma lâmpada no escuro para aqueles que possuem visão pudessem ver as formas. Venerável senhor, eu Leia o resto deste artigo »

Zazen

Publicado em Atualizado em

buda-pedra-zen-zazenZazen é a compreensão do nosso verdadeiro Eu Taisen Deshimaru
Transcrição do artigo do Cap. 4 – Artigos escritos pelo mestre Taisen Deshimaru para os ocidentais, do livro “Verdadeiro Zen”, por Taisen Deshimaru. Editora Assírio & Alvim

Zazen não é outra coisa senão sentar-se tranquilamente e observar-se a si próprio objectivamente. O que é o “eu”? O meu mestre Kodo Sawaki dizia: “Devemos conhecer o nosso eu puro e verdadeiro. Devemos tornar-nos íntimos connosco próprios.”

Quer isto dizer que o que olha é o eu subjectivo e o que é olhado é o eu objectivo? Mesmo que esta relação do que olha e do que é olhado seja levada muito longe, é impossível descobrir aí o verdadeiro eu, que não é nem objectivo nem subjectivo. Este eu verdadeiro pode ser chamado o “sujeito puro”. Ele tudo governa; e não o é o sujeito, tal como o conhecemos em geral, mas um “super sujeito” individual. Ele está em relação a todo o universo. É, podemos dizer, “o espírito de Buda”. Dito isto de outro modo, zazen é olhar, do ponto de vista da objectividade, a manifestação subjectiva.

Por exemplo: precisamos de um Leia o resto deste artigo »

As 3 marcas da existência: Anicca, Dukkha, Anatta

Vídeo Publicado em Atualizado em

“As três características [ou marcas] – impermanência [anicca], sofrimento [dukkha] e não-eu [anatta], são uma clara e sucinta descrição da natureza dos fenómenos condicionados. Quando olhamos, nós vemos que toda a experiência está constantemente mudando que é, portanto, não confiável; e esta experiência surge devido a condições e não de um desejo nosso de que as coisas sejam de um certo jeito. Entretanto, apenas a compreensão dessas três características não é suficiente. É a sabedoria que se adquire ao experienciá-las profundamente que liberta a mente do apego.

O perigo, eu acho, em qualquer tradição espiritual é permanecer no nível filosófico. No Budismo, podemos facilmente nos perder só no pensamento das várias listas – as Quatro Nobres Verdades, o Caminho Óctuplo, os Cinco Obstáculos, os Sete Fatores da Iluminação. É importante seguir essas formulações dos ensinamentos na sua essência e explorar como elas podem servir para a nossa libertação para que estejamos, ao mesmo tempo, conectados e inspirados pela verdadeira mensagem do que o Buda ensinou.” – Joseph Goldstein (via: acessoaoinsight.net)

Palestra sobre as 3 Marcas

Conheça em mais detalhe cada uma das 3 Marcas

 Anicca (Impermanência) Leia o resto deste artigo »

Desapego e Apego

Publicado em Atualizado em

O Desapego | Gyomay Kubose
Excerto do livro: Budismo Essencial: A Arte de Viver o Dia-a-Dia

O desapego é um dos mais importantes ensinamentos budistas. Na verdade, a vida de iluminação é o caminho do desapego. Muitos dos problemas da vida são causados pelo apego. Ficamos com raiva, preocupados, tornamo-nos ávidos, fazemos queixas infundadas e temos todos os tipos de complexos. Todas estas causas de infelicidade, tensão, teimosia e tristeza são devidas ao apego. Se você tem algum problema ou preocupação, examine a si mesmo e descobrirá que a causa é o apego.

Existe uma famosa história zen sobre um mestre e seu discípulo. Os dois estavam a caminho da aldeia vizinha quando chegaram a um rio caudaloso e viram na margem, uma bela moça tentando atravessá-lo. O mestre zen ofereceu-lhe Leia o resto deste artigo »

Budismo, o amor e as relações

Vídeo Publicado em Atualizado em

Nesta série de palestras, vamos conhecer o que alguns Mestres Budistas têm a dizer sobre o Amor, Apego e Relações.

Amor romântico e amor genuíno | Jetsunma Tenzin Palmo

«O problema é que nós sempre confundimos a ideia de amor com apego.

Sabe, nós imaginamos que o apego e o agarramento que temos nas nossas relações, demonstram que amamos, quando na verdade, é só apego, que nos causa dor. Porque quanto mais nos agarramos, mais temos medo de perder. E então se nós, de facto, perdermos, vamos sofrer.

O que quero dizer é que o amor genuíno é… Bom, o apego diz: “Eu te amo, por isso eu quero que você me faça feliz.” E o amor genuíno diz: “Eu te amo, por isso quero que você seja feliz. Se isso me incluir, ótimo! Se não me incluir, eu só quero a sua felicidade.”

É portanto um sentimento bem diferente.

Sabe, o apego é como segurar com bastante força. Mas o amor genuíno é como segurar com muita gentileza, nutrindo, mas deixando que as coisas fluam.

Não é ficar Leia o resto deste artigo »