Henrique Pires

A libertação do ciclo insatisfatório de renascimentos

Publicado em Atualizado em

Pergunta: Por que o budismo parece enxergar a vida (ou os renascimentos) como algo a ser extinto definitivamente? Sabe-se a origem desse pensamento, que a princípio soa pessimista e depreciativo em relação à vida, seja aqui ou em outros mundos? O budismo parece não valorizar a existência e a própria vida quando sugere que seu objetivo último é o Nirvana e com isso a cessação de tudo e o não retorno (fim dos renascimentos). Curiosamente essa perspectiva não me parece muito compatível com a visão do zen budismo que tenho observado até então, onde eu percebo uma valorização da existência, uma postura de afirmação de sermos a própria vida do universo e da maravilha que pode ser estarmos aqui. Sou bastante iniciante nesse campo e cheio de dúvidas, no entanto. Obrigado! (Luis Branco)

morte-alem

Resposta de Henrique Pires:

Esse tipo de dúvida emerge quando primeira e terceira nobres verdades ainda não foram entendidas em profundidade.

1) Sobre a Primeira Nobre Verdade
Buddha descrevia a Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Budismo, a ideia de Deus e o mundo espiritual

Publicado em Atualizado em

Qual a visão do budismo sobre Deus? Para ser possível responder a essa questão, há que definir primeiro o que se entende por Deus. Se definirmos Deus como algum tipo de realidade última, existem conceitos no budismo que eventualmente poderão estar dentro dessa definição, tais como: Dhammakaya, Dharmadhatu, Tathagatagarbha, Buddhadhatu, Sunyata, Nibbana. Se definirmos Deus como um demiurgo, omnisciente e omnipotente, não criado e imortal, criador e controlador de tudo o que existe, como o Deus bíblico, nesse caso será incompatível com o budismo. No entanto, a eventual existência de seres imateriais ou de matéria subtil, como deidades e espíritos, não é de todo incompatível com o budismo. Na cosmologia budista existem vários reinos ou planos de existência, costuma-se falar em 6 Reinos que podem ser subdivididos em 32. Veremos de forma mais aprofundada o que alguns professores têm a dizer sobre este tema.

Sumário: O Deus criador – O Deus como o absoluto – Deidades e Espíritos – Reinos imateriais e Metáforas – Conclusão.

.: O Deus criador :.

A Idéia de Deus e a Criação | K. Sri Dhammananda

Trecho do livro Boas Perguntas, Boas Respostas, de Bhante Shravasti Dhammika

Pergunta: Vocês Budistas acreditam em um Deus? Leia o resto deste artigo »

Um barco para atravessar o rio e os 5 tipos de engano

Publicado em Atualizado em

O trecho que se segue é parte do artigo: “O que fazer com este barco que chamamos de Buddhismo?” escrito por Henrique Pires para o blog Pico da Montanha.
Veja o artigo original e completo: Parte 1 e 2: Aprendendo mais sobre o barco e As maneiras errôneas de lidar com o barco; Parte 3: As maneiras corretas de lidar com o barco.

Barco-Rio

Este é um artigo que escrevo graças ao incentivo do Ven. Gensho Sensei. Trata-se de uma reflexão sobre algo que muitas pessoas dizem hoje em dia: “Não preciso de buddhismo pra ser Buddha!”. Ou, em outros termos: “Todas religiões aprisionam. Enquanto alguém segue ou preserva uma religião, não poderá se iluminar”. Ou, ainda, elas explicam da seguinte maneira: “É preciso lançar fora o apego às religiões, portanto, não há porque falar de buddhismo”. […]

CINCO TIPOS DE ENGANO Leia o resto deste artigo »

Os 5 Preceitos

Publicado em Atualizado em

1. Evitar matar ou ferir seres vivos
2. Evitar roubar

3. Evitar a má-conduta sexual
4. Evitar mentir
5. Evitar o álcool e outras drogas intoxicantes

*    *    *    *

Trechos do livro “Boas perguntas, Boas respostas” de Bhante Shravasti Dhammika.

Pergunta: Outras religiões derivam suas ideias sobre o que é certo e errado a partir das ordens de seu deus ou deuses. Vocês budistas não acreditam em um deus, então, como vocês sabem o que é certo e o que é errado?
Resposta: Quaisquer pensamentos, discursos ou ações que se baseiem em ganância, ódio e ilusão, e que, portanto, conduzam para longe do Nirvana, são ruins; e quaisquer pensamentos, discursos ou ações que se baseiem em caridade, amor e sabedoria, e que, portanto, ajudam a clarear o caminho rumo ao Nirvana, são bons. Nas religiões centradas em deus, para saber o que é certo ou errado basta seguir o que lhe mandam. Em uma religião centrada no homem, como o Budismo, para saber o que é certo ou errado é necessário desenvolver uma autoconsciência profunda, assim como autocompreensão. A ética fundada na compreensão é sempre mais forte que a ética que se limita a Leia o resto deste artigo »