Budismo Geral Opinião e Notas Pessoais Vídeo-palestras

É possível seguir mais que uma tradição ou escola budista?

Após a morte do Buda e com a expansão do budismo, foram surgindo diferentes escolas budistas, todas elas partilham um núcleo comum, é isso que as tornam budistas, mas além desse núcleo existem ensinamentos adicionais e abordagens diferentes.

Alguns praticantes começam a seguir uma escola porque por diversas circunstâncias foi a que lhes “apareceu à frente” e ficaram com interesse nela. Outros se interessam pelo budismo mas não sabem que escola escolher ou se devem ou não seguir várias.

A resposta que se segue é baseada na minha experiência como um simples praticante leigo e não é uma resposta universal. É uma opinião ainda que baseada no que vários mestres aconselham.

Então no inicio, se ainda não existe uma conexão com uma escola, a sugestão é que se comece a explorar as várias escolas e até a história de como essas escolas foram surgindo. Essa exploração pode ser feita por livros, pela internet, visitando centro e templos e interagindo com as várias comunidades budistas. Dessa forma fica-se com uma ideia da história dessas escolas e das diferentes abordagens, evita-se também cair em escolas menos próprias. Mesmo quem já pratica consolidadamente numa escola também pode ser interessante conhecer outras vertentes.

Mas para um aprofundamento do caminho budista, após essa exploração o ideal talvez seja manter o foco da prática numa escola. Os vocabulários das escolas são diferentes, as escolas têm diferentes abordagens, algumas até podem parecer contraditórias, mas são caminhos diferentes para o mesmo objetivo. Então, seguir tudo ao mesmo tempo pode fazer com que o praticante não ande para a frente e fique sempre no superficial, até porque não há tempo para tudo. No então, se existe um interesse por várias escolas ou pela tradição budista de forma geral, o que até é o meu caso, o que é aconselhado é que se mantenha o foco numa escola, que a tenha como base, que se siga as orientações dessa vertente e dos professores e, como complemento ir estudando outras escolas, mas mantendo o foco da prática na “escola raiz”, a que foi escolhida. Conhecer bem apenas uma escola budista é suficiente para progredir no caminho, mas se não se andar às voltas apenas em teoria, acho muito benéfico ter uma visão mais global do budismo.

Como referido acima, as escolas usam vocabulários diferentes, por isso não se deixe iludir pelas palavras, por vezes o mesmo termo ganha diferentes significados entras as várias escolas, tenha em atenção que alguns termos têm um significado dentro do contexto de uma escola, e que noutra podem existir diferenças. É importante ter isso em consideração quando lê ou escuta ensinamentos de escolas diferentes.

Esta diversidade torna o budismo rico e vivo. E apesar de todas as diferenças, todas as escolas são completas em si mesmas e tem muito mais coisas que as unem do que as separam. É como o chá que pode ser servido em diferentes chávenas, mas é o mesmo chá, o mesmo sabor.

Sobre a escolha de uma escola, confira a palestra “A que Escola Pertenço”, ministrada pelo Prof. Ricardo Sasaki no dia 06/01/2021 e publicada pelo Instituto Zen Maitreya.

Veja também:

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: