Amor, Família e Relacionamentos Budismo Geral Ensinamentos Vídeo-palestras

Budismo e o Natal

"Se o Natal é uma ocasião em que, de certo modo, as pessoas se esforçam particularmente para fazer o que é bom e benéfico aos outros, isso é maravilhoso e muito importante; o sistema adotado não é relevante. (...) Ensino desta maneira para obrigar as pessoas a se libertarem de seus apegos a vários conceitos e a compreenderem o que está acontecendo de uma maneira direta e natural." - Ajahn chah

Conteúdo:


Um Budista pode festejar o Natal?

Este vídeo dos Simpsons é uma boa resposta a essa pergunta.

No episódio dos Simpson “She of Little Faith”, Lisa entra em crise com a sua fé e se converte ao Budismo, o Rev. Lovejoy tenta dissuadi-la dizendo que ela não pode mais celebrar o Natal porque “Pai Natal não deixa presentes debaixo da Árvore Boddhi”.

Então Lisa visita o “Templo Budista de Springfield” onde Lenny, Carl e Richard Gere estão meditando e recebe um conselho excelente:

– Gere: O budista respeita a diversidade de outras religiões, se tiverem base no amor e na compaixão.

– Lisa: O que?

– Gere: Sério. Porque não vai pra casa? Sua família sente a sua falta.

– Lisa: Posso comemorar o Natal?

– Gere: E qualquer outro feriado. Faço aniversário em 31 de agosto…

Trecho do livro “Uma Tranquila Lagoa na Floresta: Meditações de Ajahn chah”, de Jack Kornfield e Paul Breiter (orgs.)

Budismo e o Natal

Na religião cristã, por exemplo, uma das festas mais importantes é o Natal. Um grupo de monges ocidentais decidiu, no ano passado, festejar esse dia de uma maneira especial, com uma cerimônia de presentes e premiações. Vários de meus discípulos estranharam isso e comentaram: “Se eles foram ordenados como budistas, como podem celebrar o Natal? O Natal não é uma festa cristã?”

Na minha palestra sobre o Dharma, expliquei que todas as pessoas do mundo são fundamentalmente as mesmas. Chamá-las de europeus, de americanos ou tailandeses apenas indica onde nasceram ou a cor de seus cabelos, pois todos têm, basicamente, o mesmo tipo de mente e de corpo; todos pertencem à mesma família de gente que nasce, envelhece e morre. Quando entenderem isso, as diferenças perderão a importância. Da mesma forma, se o Natal é uma ocasião em que, de certo modo, as pessoas se esforçam particularmente para fazer o que é bom e benéfico aos outros, isso é maravilhoso e muito importante; o sistema adotado não é relevante.

Então eu disse aos aldeões: “Hoje chamaremos essas festa de Chrisbuddhamas. Enquanto as pessoas praticarem apropriadamente, elas estarão praticando um Budismo cristão e tudo vai bem.” Ensino desta maneira para obrigar as pessoas a se libertarem de seus apegos a vários conceitos e a compreenderem o que está acontecendo de uma maneira direta e natural. Qualquer coisa que nos leve a ver a verdade e a fazer o bem é pratica correta. Você pode chamá-la como quiser.


“Com bondade amorosa para todo o universo,
cultive um coração sem limites:
Acima, abaixo e em toda a volta, desobstruído,
livre da raiva e da má vontade.”
– Buda (Snp 1.8)


Uma Perspectiva Budista sobre o Natal | Lama Gyurme

Monja Coen comenta o Natal: Ternura, Cuidado e Cura

Palestra: Budismo e o Natal | Monja Isshin

The First Nidana | Música de Natal com letra budista

Tradução da letra:

O primeiro Nidana

O primeiro nidana é chamado de ignorância
Samsara dá uma falsa libertação
Idappaccayata – Isso leva àquilo
Paticcasamuppada – Causalidade

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

Agora, a ignorância dá origem a composições causais
Então a consciência se eleva sem uma pausa
A próxima consciência leva ao corpo-mente
As faculdades sensoriais são então formadas em espécie

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

Faculdades dos sentidos causam então a conexão
Liderando o caminho para a percepção sensorial
A próxima causa básica é o desejo
Isso traz apegos mentais

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

O apego dá origem à gestação
Então vem o nascimento e originação
O nascimento sempre leva à mesma história
Essa composição é ilusória

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

Identidade leva à nossa morte
Aceite a velhice, doença e morte para ser sábio
Este processo é a nossa condição inata
Origem Dependente

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

A consciência de que está livre das amarras do Dukkha
Nos guiará no caminho para a graça do nirvana
A verdade nunca pode ser encontrada perto ou longe
No entanto, no nosso coração está a luz dessa estrela

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável

Consciente, consciente, consciente, consciente
Estar consciente é incomparável


Saiba mais sobre esta música de Natal com letra budista (links externos):

Veja também:


Sobre Ajahn chah, Lama Gyurme, Monja CoenMonja Isshin | Lista de Mestres e Professores

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: