Poesia

A arte de esculpir a impermanência no nevoeiro

Publicado em Atualizado em

Inspirada pela impermanência, uma das três marcas da existência referidas no budismo, a artista japonesa Fujiko Nakaya cria esculturas de nevoeiro, que se enroscam, ondulam e se dissipam nas mãos da natureza.

Misterioso, o nevoeiro inspirou escritores e artistas durante séculos, mas Fujiko Nakaya descobriu como criar esculturas a partir dele. A neblina criada artificialmente já esteve presente em diferentes espaços urbanos, museus, jardins e até fontes e praças.

Fujiko nasceu em 1933 na cidade de Sapporo, Japão. A sua obra tem Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Começou a primavera, as Sakuras florescem e nos lembram da impermanência

Publicado em Atualizado em

Em 2018 o Equinócio da Primavera ocorre no dia de hoje às 16h15min no Hemisfério Norte1, precisamente a hora em que este post foi publicado. Este instante marca o início da Primavera. No Hemisfério Sul, o Equinócio de Primavera acontece em Setembro.

Sakura1

A chegada da primavera é um evento tradicionalmente celebrado em todo o mundo, pois marca o fim do inverno, normalmente associado ao “mau tempo”, desconforto e época de escassez. Além disso, assinala o momento em que a natureza começa a “renascer” e, celebrasse a maior abundância que tradicionalmente advém dessa época.

No Japão, o inicio da Primavera marca também o inicio da floração da Sakura, a flor de cerejeira japonesa. A Sakura é um símbolo nacional japonês e tem sido um tema popular de poemas japoneses, arte, música e escrita desde a antiguidade.

A Sakura remete para Leia o resto deste artigo »

A poesia de Fernando Pessoa e o Budismo Zen

Publicado em Atualizado em

[Vídeo-Palestra] A poesia de Fernando Pessoa e a desconstrução budista da noção de «eu» | Paulo Borges

A tese da afinidade entre a poesia de Alberto Caeiro e o budismo Zen | Paulo Borges
(Excerto de: As coisas são coisas? Alberto Caeiro e o Zen)

Tende a predominar nos estudos pessoanos a tese da afinidade entre a poesia de Alberto Caeiro e o budismo Zen, destacando-se como excepção a justa análise de Richard Zenith (1999), que mostra bem várias diferenças entre Caeiro e o Zen, sendo a principal, a nosso ver, que o poeta português se interessa mais pela natureza do que pelo satori ou iluminação. A tese surgiu antecipadamente avalizada com o prestígio de autoridades internacionais como D. T. Suzuki (apud ALMEIDA, 1986) e Thomas Merton (1966). Onésimo Teotónio Almeida (1986) deu conta de como o segundo, um eminente contemplativo católico muito interessado pela espiritualidade oriental e Zen em particular, deu a conhecer alguns poemas por si traduzidos de O Guardador de Rebanhos a D. T. Suzuki, o grande divulgador do Zen no Ocidente, e este reconheceu “uma grande qualidade zen” na poesia caeiriana. O mesmo Leia o resto deste artigo »

Poema: Chamem-me pelos meus verdadeiros nomes | Thich Nhat Hanh

Publicado em Atualizado em

Chamem-me pelos meus verdadeiros nomes
Não digam que parto amanhã
Porque hoje estou ainda chegando.

Olhe bem, a cada instante estou chegando
Para vir a ser botão de flor em ramo de primavera
Para ser passarinho de asas frágeis
Aprendendo a cantar em meu novo ninho,
Para ser lagarta na corola da flor,
Para ser gema oculta na pedra.

Estou ainda chegando para rir e chorar,
Para sentir medo e esperança
O ritmo do meu coração é o nascimento e morte
De tudo o que vive.

Sou a libélula em Leia o resto deste artigo »

Poema de Milarepa

Publicado em Atualizado em

Flores de azul turquesa, inundação no vale abaixo
Abundância de seda, uma joia de valor
A lua crescente, e o filho querido
São comparações

Ninguém antes cantou palavras tão soltas
Ninguém pode compreender seu significado
Sem escutar toda a canção

A pintura dourada se desbota ao ser completada
Isto mostra a ilusão de todas as coisas
Isto prova a passagem de todas as coisas
Pense e então praticará a lei e a consciência.
Leia o resto deste artigo »

Poemas de Eihei Dogen

Publicado em Atualizado em

tigelas
Foto: Ricardo Sousa / Olhar Budista

O arroz e os outros vegetais têm vida,
os peixes e os outros animais têm vida,
e é graças às suas vidas que podemos viver.
Recebamos a comida com gratidão pelas suas preciosas vidas,
sempre dizendo: “eu agradecidamente recebo esta dádiva de alimento”
e “agradeço por essa maravilhosa comida”.

*    *    *

O valor de uma pessoa não tem nada a ver
com sua posição, fortuna ou ocupação.
Avaliar uma pessoa com base em sua instrução
ou talento levará ao erro.
Antes, são as ações e os pensamentos que dão vida
ao conhecimento que são preciosos.
Pensamentos e ações são o que formam o valor de uma pessoa. Leia o resto deste artigo »