Mestres

O que é o Nibbana ou Nirvana?

Publicado em Atualizado em

“A dificuldade com a palavra Nibbana é que o seu significado está para além das palavras. É, essencialmente, indefinível.”  – Ajahn Sumedho

“Nibbana é a bênção superior, um estado supramundano de felicidade eterna. A felicidade do Nibbana não pode ser experienciada satisfazendo os sentidos, mas acalmando-os.” – K. Sri Dhammananda

Nibbana, Nirvana

O texto que se segue é a transcrição de uma palestra de Pemasiri Mahathera. Confira no final do post o vídeo original.

– O que é o Nibbana?

Para responder a essa pergunta, posso reportar-me ao período antes do Buddha?

– Sim, sim. Pode ser dois tipos de resposta: uma muito curta ‘é assim’ e a outra longa, com muitos significados.

Nibbana significa abrandar ou apagar [extinguir-se], como uma chama. Nibbana é como uma chama apagando-se: o apagar das corrupções.

A palavra “vaana” significa barragem. Bloqueia a água. Assim como tanha, anseio, estamos bloqueados. Nibbana significa que a barragem foi aberta e a água pode então fluir. Portanto a Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Sutra do Coração | Canções, recitações e palestras

Vídeo Publicado em Atualizado em

O Sutra do Coração é um dos mais importantes e conhecidos sutras do budismo mahāyāna. É reverenciado por muitos budistas como uma explicação perfeita da natureza da realidade. “Forma é vazio, vazio é forma” é a expressão mais conhecida do sutra (para compreender essa afirmação, explore os artigos linkados no final deste post). O Sutra é notável pela sua brevidade, concisão e claridade. Tem esse nome por ser considerado representativo dos ensinamentos básicos dos Sutras da Sabedoria Perfeita (Prajnaparamita), que são muito mais longos.

Confira neste post: O sutra cantado por diferentes artistas – Concerto de banda japonesa (com um sacerdote Zen) – Mantra do sutra – Recitações – Palestras sobre o sutra – Tradução.

Sutra do Coração cantado

por Imee Ooi

Leia o resto deste artigo »

O Zen e as Artes Marciais

Publicado em Atualizado em

Trechos do livro Zen e Artes Marciais de Taisen Deshimaru.
Tradução de Ana Calazans, publicado originalmente no blog Zen Kung Fu (artigo 1, 2, 3, 4, 5 ) e disponibilizado neste site com permissão da tradutora. A obra completa não tem tradução para português.

Karate, Budo

A Nobre Luta do Guerreiro

O Budo é o caminho do guerreiro; agrega o conjunto das artes marciais japonesas. O Budo aprofundou de maneira direta as relações existentes entre a ética, a religião e a filosofia. Sua relação com o esporte é muito recente. Os textos antigos que tratam do Budo concernem essencialmente à cultura mental e a reflexão sobre a natureza do eu. Quem sou eu?

Em japonês, Do significa o Caminho. Como seguir este caminho? Por qual método se pode obtê-lo? Não se trata somente do aprendizado de uma técnica, de um wasa, e muito menos de Leia o resto deste artigo »

A Realidade Ilusória | Dokushô Villalba

Publicado em Atualizado em

“O erro que todos cometemos é considerar que o nosso ponto de vista estreito, pequeno, insignificante é a realidade universal, é a Verdade! Em vez de reconhecermos que é uma pequeníssima percepção de algo tão vasto, enorme e misterioso, que é a existência.” – Dokushô Villalba

Budismo, Realidade Ilusória

O texto que se segue é uma transcrição quase integral da palestra de Dokushô Villalba, intitulada de Maya, la Realidad Ilusoria. Confira no final do post o vídeo do Youtube com a palestra integral.

Maya é uma palavra da língua sânscrita e significa ilusão. É utilizada para nos referirmos à natureza ilusória da realidade.

Esta realidade é ilusória, mas não significa que exista outra realidade que não seja. Tudo o que possamos perceber com os sentidos, tudo o que possamos pensar, categorizar é Maya, é ilusório. Porquê? Porque os nossos orgãos sensoriais são condicionados e limitados. Por exemplo, nós não vemos os ultravioletas nem infravermelhos, vemos apenas uma parte muito pequena do espectro eletromagnético. Vemos apenas uma pequena parte da realidade, e ao tomarmos a realidade como tal, então caímos numa ilusão.

É a mesma ilusão que experimentavam os personagens do Leia o resto deste artigo »

A Realidade da Realidade | Tsering Paldron

Publicado em Atualizado em

“Ao trabalharmos sobre as ideias que temos sobre as coisas, modificamos completamente a nossa experiência do mundo e a nossa realidade.” – Tsering Paldron

Budismo e Realidade

O texto que se segue é a transcrição de 2 vídeos de uma palestra de Tsering Paldron. Confira no final do post os vídeos originais.

O mundo que nós vemos, que cada um de nós experiencia, não é o mundo como ele é. É o nosso mundo; e esse nosso mundo é feito de ideias, de pensamentos, de conceitos, etc.

Já tiveram se calhar aquela experiência, ou já ouviram uma partida que se faz às vezes às pessoas quando alguém não gosta por exemplo de carne de coelho e dão-lhe para comer dizendo que é outra coisa e a pessoa come e delicia-se. Depois dizemos “olha acabaste de comer carne de coelho” e a pessoa automaticamente diz logo “ai que porcaria!”

Imaginem, eu por exemplo dou a provar a alguém uma série de petiscos e peço à pessoa para dizer qual Leia o resto deste artigo »

Aparência e Realidade | Dalai Lama

Publicado em Atualizado em

“Se as coisas aparecem como algo lindo, então como consideramos isso como algo existindo objetivamente, independentemente, sentimos apego. Quando as coisas aparecem como algo negativo, também objetivamente, ou seja que o negativo está ali, desenvolvemos raiva, ódio e todas essas coisas.” – Dalai Lama

Budismo, Aparência e Realidade

O texto que se segue é a transcrição de uma palestra do Dalai Lama. Confira no final do post o vídeo do Youtube com a palestra original.

Todas as coisas externas, assim como as nossas experiências internas, tudo aparece como se existissem por si mesmas. Nunca nos aparecem como uma simples designação, as coisas aparecem como algo que existe independentemente. Essas são as aparências. Se essas experiências são verdadeiras, a realidade de que existem independentemente, então devemos investigar,  Leia o resto deste artigo »

O inferno somos nós, do ódio à cultura de paz | Monja Coen e Leandro Karnal

Publicado em

Monja Coen é uma das mais conhecidas divulgadoras do budismo no Brasil. Leandro Karnal é historiador e está entre os pensadores mais conhecidos do Brasil. Coen e Karnal juntaram-se para escreverem o livro O inferno somos nós: do ódio à cultura de paz.

Como transformar uma cultura de violência numa cultura de paz? Essa indagação é a mote do livro, e é assim que começa a apresentação da obra na palestra do vídeo partilhado.

A Monja Coen diz-nos que não é que nós não vamos sentir raiva, é natural do ser humano ficar enraivecido por coisas que nos parecem impróprias. Mas o que nós fazemos com isso? Como é que nós dialogamos? Como é que nós somos capazes de criar condições de transformação sem ser pelo grito?

Coen enfatiza a importância de Leia o resto deste artigo »

O que fazer para melhorar o mundo?

Publicado em Atualizado em

. . . melhore a si mesmo!

O mundo é uma expressão de nós mesmos, quanto melhor forem os seres humanos, melhor será o mundo. Não conseguimos melhorar a totalidade do mundo, mas cada um pode melhorar a si mesmo.

Num artigo da UOLAjahn Mudito fala-nos do que podemos fazer para melhorar o mundo. Ajahn Mudito acha que não faltam pessoas querendo fazer o bem, mas sim pessoas capacitadas para o fazer. Por exemplo, todos querem proteger o meio ambiente, mas ninguém quer abrir mão do conforto ou prazer dos bens materiais. Todos querem paz, mas ninguém quer abrir mão do prazer e da vaidade em estar certo e ter razão. Todos querem que as pessoas sejam melhores, mas ninguém quer comportar-se corretamente.

Dentro da visão do budismo, ter boa intenção não é suficiente, é preciso desenvolver a capacidade de trazer essa boa intenção à vida. Uma boa pessoa não é aquela que tem boa intenção, mas aquela que além disso, possui todas as as qualidades que tornam essa boa intenção uma realidade. Leia o resto deste artigo »

[Filme] Da Tang Xuan Zang

Vídeo Publicado em Atualizado em

Sinopse: Durante a era da Dinastia Tang de “Zhen Guan” (nome da era durante o governo do imperador Taizong), o jovem monge Xuan Zang, na sua busca por conhecimento budista, embarcou numa viagem à Índia, cheia de riscos e perigos. Ele encontra desastres naturais e vê os sofrimentos das pessoas comuns. Soldados atravessam o seu caminho, o seu discípulo trai-o, ele enfrenta os desertos, fica sem comida e água, tudo na busca pelos ensinamentos de Buda. Ele finalmente chega à Índia e estuda o budismo seriamente. Quando retorna para a China já tem 50 anos.

Este premiado filme é uma biografia de Xuan Zang, que teve um papel importante no Leia o resto deste artigo »

A crise ecológica e os preceitos éticos

Publicado em Atualizado em

O texto que se segue é um resumo da palestra de Sagarapriya a 5 de Dezembro de 2017. Confira no final do post o vídeo do youtube com a palestra integral.

Protecção ambiental e ecologia

Vamos analisar este tema levando em conta o modelo de compreensão da realidade proposto pelo Buda: Todas as ações têm consequências, todos os fenómenos têm a sua causalidade. Há causas que propiciam resultados benéficos e há causas que propiciam resultados não benéficos.

Devemos por isso, saber escolher as causas que nos levam numa direção benéfica e evitar as causas que nos levam numa direção não benéfica. A crise ecológica que nós vivemos atualmente é o resultado das nossas ações. As nossas ações estão a promover a Leia o resto deste artigo »