Livros

O Zen e as Artes Marciais

Publicado em Atualizado em

Trechos do livro Zen e Artes Marciais de Taisen Deshimaru.
Tradução de Ana Calazans, publicado originalmente no blog Zen Kung Fu (artigo 1, 2, 3, 4, 5 ) e disponibilizado neste site com permissão da tradutora. A obra completa não tem tradução para português.

Karate, Budo

A Nobre Luta do Guerreiro

O Budo é o caminho do guerreiro; agrega o conjunto das artes marciais japonesas. O Budo aprofundou de maneira direta as relações existentes entre a ética, a religião e a filosofia. Sua relação com o esporte é muito recente. Os textos antigos que tratam do Budo concernem essencialmente à cultura mental e a reflexão sobre a natureza do eu. Quem sou eu?

Em japonês, Do significa o Caminho. Como seguir este caminho? Por qual método se pode obtê-lo? Não se trata somente do aprendizado de uma técnica, de um wasa, e muito menos de Leia o resto deste artigo »

Anúncios

[Livro] O Cérebro de Buda

Publicado em Atualizado em

Sugestão de livro: O Cérebro de Buda: Neurociência Prática Para a FelicidadeAutores: Richard Mendius, Rick Hanson; Editora: Alaúde.

.: Sinopse :.

Com explicações claras acerca da estrutura e do funcionamento do cérebro, os autores de O cérebro de Buda demonstram que é possível condicionar a mente para obter mais felicidade e sabedoria no dia a dia através de práticas meditativas simples e rápidas.

Sempre fundamentado em estudos científicos, o livro mostra como modificar e treinar o fluxo de pensamentos para ativar respostas positivas, com calma e compaixão, em vez de reações negativas, cheias de raiva e angústia.

Indicado a quem busca bem-estar e paz de espírito, O cérebro de Buda é leitura essencial para compreender melhor o cérebro, mudar a mente e transformar a vida.

.: Trecho :.

«Os eventos ruins em geral têm impacto maior do que os bons. É muito fácil adquirir o sentimento de impotência por causa de alguns fracassos, mas livrar-se dele é outra história, mesmo tendo muitas experiências bem-sucedidas depois (Seligman 2006). As pessoas se esforçam mais para evitar uma perda do que para obter um ganho equivalente (Baumeister et al. 2001). Em comparação com Leia o resto deste artigo »

O inferno somos nós, do ódio à cultura de paz | Monja Coen e Leandro Karnal

Publicado em Atualizado em

Monja Coen é uma das mais conhecidas divulgadoras do budismo no Brasil. Leandro Karnal é historiador e está entre os pensadores mais conhecidos do Brasil. Coen e Karnal juntaram-se para escreverem o livro O inferno somos nós: do ódio à cultura de paz.

Como transformar uma cultura de violência numa cultura de paz? Essa indagação é a mote do livro, e é assim que começa a apresentação da obra na palestra do vídeo partilhado.

A Monja Coen diz-nos que não é que nós não vamos sentir raiva, é natural do ser humano ficar enraivecido por coisas que nos parecem impróprias. Mas o que nós fazemos com isso? Como é que nós dialogamos? Como é que nós somos capazes de criar condições de transformação sem ser pelo grito?

Coen enfatiza a importância de Leia o resto deste artigo »

A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen e a Sabedoria Transcendental

Publicado em Atualizado em

Introdução de D. T. Suzuki, ao livro “A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen” de Herrigel Eugen. Editora Pensamento, Edição 987.

arqueiro-arco-flecha

O que nos surpreende na prática do tiro com arco e na de outras artes que se cultivam no Japão (e provavelmente também em outros países do Extremo Oriente) é que não tem como objetivo nem resultados práticos, nem o aprimoramento do prazer estético, mas exercitar a consciência, com a finalidade de fazê-la atingir a realidade última. A meta do arqueiro não é apenas atingir o alvo; a espada não é empunhada para derrotar o adversário; o dançarino não dança unicamente com a finalidade de executar movimentos harmoniosos. O que eles pretendem, antes de tudo, é Leia o resto deste artigo »

[Livro] Nas Palavras de Buda (Versão Open Source)

Publicado em Atualizado em

Neste post são fornecidos links para versões livremente disponíveis dos suttas incluídos no livro de Bhikkhu Bodhi. Mais detalhes sobre este excelente livro em: Wisdom Publications, Good Reads, Google Books e Amazon.

A Introdução do livro e dos vários capítulos poderá ser consultada em inglês.

Links para o Acesso ao Insight (AAI) levarão para a tradução dos suttas em português. Quando não existe tradução para português poderá consultar os suttas em inglês ou em outras línguas no Sutta Central (SC).

O Sutta Central também disponibiliza as traduções em português do Acesso ao Insight, mas sem os respectivos comentários.

 

 

NAS PALAVRAS DE BUDA
Bhikkhu Bodhi

Introdução (PDF)

I. A Condição Humana Leia o resto deste artigo »

Espiritualidade na adolescência

Publicado em Atualizado em

jovens-adolescentes-meninas-orando-espiritual

Trechos da Introdução do livro “Buda na Mochila: Budismo prático para jovens”, de Franz Metcalf. Editora Pensamento.

A adolescência (assim como outras fases da vida, mas, sobretudo, a adolescência) é realmente difícil. É preciso ser filha ou filho, irmã ou irmão, neto, parente, vadio, adolescente com os hormônios a mil, estudante, cidadão, trabalhador, “futuro líder”, parte do ecossistema, psicoespiritualista, ser humano. Você tem de ser tudo isso, o que requer certo esforço. […]

Os esforços mais importantes despendidos por um adolescente — a transição para Leia o resto deste artigo »

Mente de principiante | Shunryu Suzuki

Publicado em Atualizado em

Transcrição do Prólogo do livro “Mente Zen, Mente de Principiante”, de Shunryu Suzuki. Editora: Lua de Papel

“Na mente do principiante há muitas possibilidades,
mas poucas são as que existem na do perito.”

As pessoas dizem que a prática do Zen é difícil, mas há um mal-entendido quanto ao motivo. Não é difícil por ser árduo permanecer sentado na posição de lótus ou atingir a iluminação. É difícil porque é árduo manter a mente pura ou a prática pura no seu sentido fundamental. A escola Zen desenvolveu-se de muitas maneiras depois de se ter estabelecido na China, mas, ao mesmo tempo, tornou-se cada vez mais impura. Contudo, não pretendo falar sobre o Zen chinês ou sobre a história do Zen. O que me interessa é ajudar-te a manteres a tua prática livre de impurezas.

No Japão, temos a expressão shoshin, que significa “mente de principiante”. O objectivo da prática é sempre o de Leia o resto deste artigo »

O Universo num Átomo | Dalai Lama

Publicado em Atualizado em

Em cada átomo dos reinos do Universo,
Existem vastos oceanos de Universos.
(O Grande Ornamento Floral,  uma escritura budista antiga)

Thangka Tibetana Astrológica
Thangka Tibetana Astrológica: O movimento dos signos do zodíaco e planetas – 1684

Trechos do Cap. 4 – O Big Bang e o universo budista sem princípio; do livro “O Universo num átomo”, de Dalai Lama. Editora: QuidNovi

Quem não experimentou um sentimento de admiração ao olhar para a profundidade dos céus iluminados por estrelas sem fim numa noite límpida? Quem nunca se perguntou se há uma inteligência por detrás do cosmos? Quem nunca meditou sobre se o nosso planeta será o único a albergar seres vivos? Para mim estas interrogações são naturais na mente humana. Em toda a história da humanidade, houve um impulso real para encontrar respostas a estas questões. Uma das grandes realizações da ciência moderna é ter-nos feito chegar mais perto do que nunca de uma compreensão das condições e dos processos complicados subjacentes à origem do nosso cosmos. […]

A cosmologia moderna — tal como muitas outras coisas nas ciências físicas — baseia-se na teoria da relatividade de Einstein. Em cosmologia, as observações astronómicas em conjunto com a teoria da relatividade geral, que introduziu o conceito de gravidade como curvatura do espaço e do tempo, mostraram que o nosso universo não é eterno nem estático na sua forma actual. Está em evolução e expansão contínuas. Esta descoberta está de acordo com a intuição básica dos cosmólogos budistas da Leia o resto deste artigo »

Buda Rebelde: Na rota da liberdade | Dzogchen Ponlop Rinpoche

Publicado em Atualizado em

buda rebelde

Trecho do livro “Buda Rebelde: Na rota da liberdade“, por Dzogchen Ponlop Rinpoche.

bu.da
a mente desperta.

re.bel.de
Aquele que questiona, resiste, recusa-se a obedecer
ou se insurge contra o controle injusto ou descabido
de uma autoridade ou tradição.

NASCIDOS PARA A LIBERDADE

Buda rebelde é uma exploração sobre o que significa ser livre e sobre como podemos nos libertar. Embora possamos votar em nossos líderes, casar por amor e cultuar forças divinas ou mundanas conforme nossa escolha, a maioria de nós não se sente realmente livre. Quando falamos sobre liberdade também estamos falando sobre o seu oposto — aprisionamento, dependência, estar sujeito ao controle de algo ou alguém externo a nós mesmos. Ninguém gosta disso e, quando nos encontramos nessa situação, logo tentamos descobrir como escapar. Qualquer restrição a “nossa vida, nossa liberdade e nossa busca da felicidade” provoca forte resistência. Quando a felicidade e a liberdade estão em jogo, podemos nos tornar rebeldes.

Há traços de rebeldia em todos nós. Geralmente estão adormecidos, mas manifestam-se Leia o resto deste artigo »

[Livro] Dhammapada: Versos do Dhamma

Publicado em Atualizado em

Dhammapada é um dos textos mais antigos e respeitados do Budismo. Faz parte do Cânone Pali. Existem vastas traduções e comentários. Confira neste post vários audiobooksebooks (weblivros e pdf), comentários, apps, edições impressas e outras informações.

Clique aqui para ver uma Selecção de Versos (ilustrados) do Dhammapada.


«[O Dhammapada] representa um precioso tesouro espiritual pela transcendência da sua mensagem, e que, por isso, ultrapassou as fronteiras da Índia, tornando-se património de toda a humanidade. Pilar incontornável da poesia ética de tradição kavyá da Índia clássica, abre o caminho do aperfeiçoamento humano pela edificação das virtudes e pela denúncia da vaidade e do ego, da ignorância e da dor. (…)»  – José Carlos Calazans, Introdução ao “Dhammapada”, Editora Ésquilo

«A figura de Buddha e a sabedoria que irradiam dos seus ensinamentos são, para a Humanidade, e mesmo em pleno século XXI, uma luz nas trevas, um farol no agitado mar da vida humana. Nenhuma outra religião reconhece tanta importância às descobertas da própria consciência, à serena reflexão, à busca do saber. O próprio Buddha ensinava que não devíamos aceitar, de maneira nenhuma, aquilo que a nossa mente e o nosso coração não reconhecem como válido, ainda que estivesse escrito ou fosse dito pelo maior dos sábios.» – José Carlos Fernández, Posfácio do “Dhammapada”, Editora Ésquilo


Audiobooks Leia o resto deste artigo »