Meditação e Yoga transformados em produtos comerciais

Publicado em Atualizado em

Pelo que me é dado ver, em certos casos, há sobretudo uma utilização da meditação para fins comerciais. É inquietante, na medida em que seria uma grande perda se a meditação fosse separada dos seus valores originais e das ricas tradições onde cresceu. – S. S. Karmapa

mindfulness

Trecho do livro “Freedom Through Meditation” de S. S. Karmapa

Como todos sabem, hoje em dia verifica-se no mundo inteiro um interesse crescente pela meditação e a plena consciência. As estatísticas do Google evidenciam esse entusiasmo recente. O que eles mostram são números altos para pesquisas sobre tópicos ligados à meditação, mas se olharmos para as estatísticas do termo Budismo, os números caem acentuadamente. Isso mostra-nos que muitas pessoas preferem mais informações sobre a meditação do que saber sobre o budismo.

Creio que o facto de o budismo ser etiquetado como uma religião produz um efeito negativo no interesse que as pessoas poderiam ter. A meditação e a mindfulness, por sua vez, não têm a carga dessa conotação, o que leva as pessoas a aproximaram-se mais facilmente. 

De certo modo isto é uma boa notícia, que devemos acolher e a que devemos dar a nossa atenção. É muito bom que cada vez mais pessoas tenham curiosidade pela meditação e devemos apoiar esse movimento.

Por outro lado, alguns elementos desse movimento são algo inquietantes. Pelo que me é dado ver, em certos casos, há sobretudo uma utilização da meditação para fins comerciais. É inquietante, na medida em que seria uma grande perda se a meditação fosse separada dos seus valores originais e das ricas tradições onde cresceu. 

A prática do yoga passou por uma fase semelhante. Originalmente, na Índia, a prática yógica era estritamente espiritual: Permanecia um segredo bem guardado e os seus praticantes estavam totalmente imersos numa busca espiritual. No mundo contemporâneo, todavia, o yoga é frequentemente comercializado para fins seculares. 

É preocupante que algo semelhante possa acontecer com a meditação. A prática da meditação é muito pessoal. Transformá-la num negócio seria retirar-lhe do seu contexto mais vasto e profundo (de filosofia, engajamento social, e ética, por exemplo), que devemos apreciar e sustentar.

Valorizar essa dimensão mais vasta permite-nos ficar ligados à fonte autêntica da meditação.

Veja também:


Sobre Karmapa (Ogyen Trinley Dorje) | Lista de Mestres e Professores

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.